Wladimir não explica acusação de compra de votos em pedido de cassação

0

O deputado federal diplomado Wladimir Barros Assed Matheus de Oliveira (PRP) (vulgo Wladimir Garotinho) divulgou um vídeo no Facebook onde diz, entre outras coisas, ter sido surpreendido nas redes sociais pela notícia da Ação de Investigação Judicial Eleitoral no TER/RJ proposta pelo Diretório Estadual do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade/RJ), e a Coligação Mudar é Possível (PSOL-PCB) pedindo a sua cassação e a do seu correligionário deputado estadual reeleito e diplomado Bruno Dauaire por Abuso do Poder Econômico e Captação Ilícita de Sufrágio. Por supostamente a dupla ter comprado votos na Penha nas últimas eleições através de cabos eleitorais, inclusive com um vídeo que mostraria o momento em que um cabo eleitoral estaria entregando de notas de 50 reais a eleitores.

Para Wladimir os culpados são os outros, mas não explica as graves acusações

Se cultivasse o hábito de falar a verdade, o filho de Garotinho diria que, na realidade, foi alertado da existência da Ação de Investigação Judicial Eleitoral pelo Somos Online que deu a notícia em primeira mão.

Fiel ao modus operandi do seu pai Garotinho de acusar adversários quando se vê confrontado com denúncias contra si de crimes e irregularidades, no vídeo de cerca de 1 minuto, Wladimir Garotinho usa a desgastada tática paterna do tipo “Se não tem saída, vamos bater em alguém”, e apenas acusa o PSOL, o PDT e o vereador Marcão Gomes, segundo ele o seu principal adversário, mas em nenhum momento explica as graves acusações de compra de votos na Penha, boca de urna, e até de acordo com o tráfico para fazer campanha eleitoral exclusiva no Eldorado. A Ação é fortemente embasada por farto material fotográfico, de vídeo e áudio. Assista ao vídeo de Wladimir abaixo:

Como facilmente se percebe no vídeo acima, Wladimir procura um bode expiatório para por a culpa por seus problemas, não explica as acusações e tenta manipular a opinião pública posando de “vítima de perseguição”, reprisando a mesma chanchada tão utilizada pelo seu pai Garotinho.

Nota de Marcão

1- Wladimir Garotinho, ao invés de cuidar de se defender das acusações que lhe foram imputadas, quer colocar no campo político. Utilizando a mesma prática de seu pai, que gosta de se fazer de vítima dos crimes que já cometeu. No caso dele, pelo que li na imprensa, existem indícios do cometimento de crimes eleitorais. Isso não cabe a mim julgar, o MP e a Justiça eleitoral irão analisar o conteúdo da denúncia.

2- Não entendi o fato dele ter me colocado como o seu principal adversário, eu sou vereador, trabalhando no mandato que a população me conferiu. Ele deve estar sentido de ter perdido pra mim nas urnas nas últimas eleições. Acho que ele deveria esquecer as diferenças que temos e ter foco no trabalho pra ajudar a nossa região. Torço pra que ele tenha um mandato produtivo, pois a população do estado do RJ precisa.

Atuação de cabos eleitorais de Wladimir no dia das eleições foi ostensiva

Em fotos e vídeos anexados à Ação, o cabo eleitoral de Wladimir Garotinho, Paulo Henrique Barreto Barbosa, também réu na Ação, aparece durante a sua atuação no dia das eleições no bairro da Penha, próximo zona eleitoral instalada CIEP Nina Arueira, localizado na Rua Nossa Senhora da Penha, supostamente abordando pessoas para oferecer dinheiro em troca de votos, sem qualquer receio de ser flagrado. Confira.

O cabo eleitoral de Wladimir Garotinho, Paulo Henrique Barreto Barbosa, estreitamente ligado ao grupo político rosáceo, declarando o seu apoio a Wladimir ao lado do seu líder Garotinho

 

 

Espaço para defesa

O Somos Online põe o seu espaço a disposição de Wladimir Garotinho para que ele dê as suas explicações, caso as tenha e queira fazê-lo.

NENHUM COMENTÁRIO