Wladimir e Clarissa já torraram 40 mil do dinheiro público alugando carros de luxo

0

Deu na Coluna Radar da Veja

Sempre muito bem informado, o jornalista Ernesto Neves, nessa quarta-feira, noticiou na coluna Radar, da Revista Veja: “Os deputados federais Wladimir Garotinho (PSD-RJ) e Clarissa Garotinho (PROS-RJ), filhos do ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, gastaram em cinco meses R$ 41.435 em aluguel de carro particular.

Todo mês, Clarissa desembolsa R$ 4.000 na regalia. Já o irmão torra R$ 6.400 mensais no serviço.

A prole de Garotinho também não economiza em passagem aérea. Só em fevereiro, Clarissa empregou R$ 47.849 para voar entre a Capital Federal e o Rio.”.

Mostrando as unhas

O fruto não cai longe do pé. Os filhos de Rosinha e Garotinho, os deputados federais Clarissa Garotinho e Wladimir Barros Assed Matheus de Oliveira, vulgo Wladimir Garotinho, não demoraram muito para mostrar a que vieram quando se trata de esbanjar dinheiro público.

O caso de Wladimir é ainda mais emblemático. Da demagógica distribuição de pão com mortadela na porta do Restaurante Popular de Campos à utilização de carros de luxo bancados por verbas públicas bastou um pulinho, ou uma eleição…

O Playboy e Patricinha de luxo

Mas o fato não surpreende quem já conhece o apego de Wladimir aos carros de alto luxo, como o Fusion em que se envolveu em um rumoroso acidente em Campos, “emprestado” pelo “Fantasma da Gap”, o empresário Fernando Trabach, que mantinha milionários contratos de aluguel de ambulâncias e carros de luxo com a prefeitura de Campos na gestão da sua mãe Rosinha.

O Fusion da Gap emprestado a Wladimir Garotinho
Mostrando estreitos laços de relacionamento com o casal Rosinha e Garotinho, o carro utilizado por Garotinho, quando deputado, em Brasília, também foi alugado à Gap.

Para entender melhor

O empresário Fernando Trabach utilizava o “fantasma” George Augusto Pereira da Silva para realizar contratos com os governos municipais com o objetivo de cometer crimes licitatórios e contra a ordem tributária.

NENHUM COMENTÁRIO