Supera Rio vai auxiliar famílias e empresas que sofreram os impactos da pandemia

0

Nessa quarta-feira, o Governo do Estado do Rio de Janeiro anunciou o início do pagamento da primeira parcela do Supera Rio, no próximo sábado (5). O programa que vai beneficiar mais de 355 mil famílias, cerca de 1,4 milhão pessoas que vivem na pobreza e extrema pobreza e que perderam os empregos durante a pandemia da Covid-19. Nessa primeira etapa, 42.569 famílias já começam a receber, no próximo sábado (05/06), o auxílio emergencial de R$ 200, com acréscimo de R$ 50 para cada filho, limitado a dois menores.

Retomada & transformação

O secretário de Governo Rodrigo Bacellar é coautor do projeto Supera Rio

O secretário de Governo, Rodrigo Bacellar, que é coautor do projeto, falou sobre a importância do auxilio estadual. “Não existe retomada e transformação sem olhar por quem mais precisa. Hoje é um dia importante, já que fui coautor, na Alerj, do projeto que criou o auxílio emergencial do estado. E hoje, como secretário de Governo, estamos lançando o Supera Rio ao lado do governador Cláudio Castro, do presidente da Alerj, André Ceciliano, e de grandes aliados da gestão.  Além das famílias em vulnerabilidade social de todo o estado, o programa também vai auxiliar empresas que sofreram os impactos da pandemia. É assim que estamos construindo um novo estado. Gerando empregos com atração de indústrias, oferecendo mais segurança, olhando por todas as regiões e auxiliando quem mais precisa”, disse Rodrigo.

No interior, os cartões começam a ser entregues no dia 8 de junho. A previsão inicial de investimentos é de mais de R$ 86 milhões por mês. A partir do dia 25, o governo inicia o pagamento de cerca de 315 mil desempregados, investindo mais de R$ 77 milhões por mês.

Enfrentamento à pobreza

Os beneficiados já podem realizar seus cadastros no site www.superarj.rj.gov.br para receber, por mensagem de celular, as datas e os locais para a retirada dos cartões. O governo também lançou um Call Center para que os contemplados possam tirar dúvidas 0800 071 7474.

— O enfrentamento à pobreza é a principal meta do SuperaRJ. Nós queremos ver a população atendida. É necessário olhar para os pobres, para aqueles que não têm suas necessidades básicas supridas. O isolamento e o desemprego trouxeram essa situação de forma mais crítica e tenho certeza que esse auxílio vai mudar a realidade das pessoas — destacou o governador Cláudio Castro.

Micro & pequenos empresários

No Supera Rio, o financiamento para micro e pequenos empresários pode chegar a até R$ 50 mil para micro e pequenas empresas e até R$ 5 mil para autônomos e profissionais informais. O prazo máximo é de 60 meses, com carência variando de seis a 12 meses. Os contratos serão firmados pela Agência Estadual de Fomento (AgeRio). Sem juros, os créditos serão financiados pelo Fundo Estadual de Fomento ao Microcrédito Produtivo Orientado para Empreendedores (Fempo). No total, serão investidos, inicialmente, cerca de R$ 150 milhões.

Quem pode receber o auxílio

– Inscritos no Cadastro Único de Pessoas Sociais (CadÚnico), nas faixas de pobreza ou extrema pobreza
– Pessoas com renda familiar per capita igual ou inferior a R$ 178
– Morador do Estado do Rio de Janeiro
– Maior de 18 anos, exceto no caso de mães adolescentes
– Cidadãos com o CPF regularizado
– Quem perdeu o emprego formal com salário de até R$ 1.501, a partir de 13 de março de 2020, sem fonte de renda

Quem não pode receber

– Beneficiários do Bolsa Família ou de qualquer auxílio emergencial federal ou municipal
– Quem recebe benefícios previdenciários, assistenciais ou trabalhistas, como pensão, aposentadoria e seguro-desemprego
– Pessoas com renda, no ano de 2020, igual ou superior a R$ 28.559,70

Quem pode solicitar financiamento

– Micro e pequenas empresas
– Cooperativas e associações de pequenos produtores
– Microempreendedor individual
– Agricultores familiares
– Profissionais autônomos, inclusive agentes e produtores culturais
– Empreendimentos da economia popular solidária
– Costureiras, cabeleireiros, manicures, esteticistas, maquiadores, artistas plásticos, sapateiros, cozinheiros, massagistas, empreendedores sociais, empreendedores que atuam em comunidades e negócios de impacto socialParte superior do formulário

NENHUM COMENTÁRIO