Linda Mara em fuga da Polícia Federal pode passar para regime fechado

0

Vencido o prazo dado pelo da Polícia Federal de Campos Dr. Paulo Cassiano (domingo), Linda Mara, ex-secretária particular de Rosinha, ex-vereadora, e cabo eleitoral de Wladimir Garotinho, continua foragida da Justiça Eleitoral e procurada pela Polícia Federal para dar início ao cumprimento da sua sentença 05 anos e 04 meses de prisão em regime semiaberto, por conta da criminosa compra de votos com dinheiro público utilizando o programa social “Cheque Cidadão” da prefeitura de Campos. O esquema foi desbaratado pela Operação Chequinho, da Polícia Federal.

Linda Mara é cabo eleitoral de Wladimir, escudeira de Garotinho e foi secretária particular de Rosinha desfrutando de posição privilegiada no grupo político da Lapa

Segundo o delegado, a sentença de 2ª Instância já está transitada em julgado e nada impede que Linda Mara cumpra a sua pena. Com o mandado de prisão em mãos, a Polícia Federal continua as buscas.

Dos três procurados pela Polícia Federal, o ex-vereador Kellinho foi o único que se entregou espontaneamente a PF, seu colega, e também ex-vereador, Thiago Virgílio teve a sua fuga interrompida ao ser preso em casa na manhã de domingo, mas não sem antes debochar da justiça em seu perfil do Facebook para comemorar a libertação do presídio dos seus líderes Garotinho e Rosinha.

Dos três primeiros da Chequinho a terem seus mandados de prisão expedidos, Lina Mara, Kellinho e Thiago Virgílio, apenas Linda Mara ainda está em fuga da PF

Situação de Linda pode se complicar ainda mais

A fugitiva Linda Mara pode ter a sua situação bastante complicada por estar foragida da Justiça. O alerta foi dado anteriormente pelo o delegado da Polícia Federal Paulo Cassiano:

“Não conseguimos localizá-los nos endereços cadastrados, disponíveis no sistema da Polícia Federal. Novas tentativas de localizá-los serão feitas. Mas se até o próximo domingo eles não se apresentarem, eu farei informação ao juiz de que nós realizamos essas diligências e faremos a sugestão que o juiz mude o regime de semiaberto para fechado”.

NENHUM COMENTÁRIO