Justiça nega a Wladimir liminar contra contrato prorrogado por sua mãe Rosinha

0

Por aquelas ironias que só a política de rodapé e a demagogia populista são pródigas em produzir, o deputado Wladimir Barros Assed Matheus de Oliveira, vulgo Wladimir Garotinho, representado pelo advogado Thiago Ferrugem, condenado na Chequinho, sofreu mais uma derrota judicial, dessa vez na Ação Popular 0003572-67.2018.8.19.0053 movida contra o prefeito de Campos Rafael Diniz e a concessionária Águas do Paraíba.

O seu pedido de liminar contra uma decisão da sua mãe Rosinha foi indeferido pelo juiz Dr. Paulo Maurício Simão Filho.

Agora, como ainda cabe recurso, as partes foram intimadas por mandado de citação, expedido no dia 21 de fevereiro, para que se manifestem.

Para entender melhor

Em uma clara e demagógica tentativa de iludir a população de Campos, o inexperiente deputado não esclareceu ao público que o aumento de tarifa combatido judicialmente por ele trata-se apenas do cumprimento de uma cláusula do contrato prorrogado por sua própria mãe Rosinha Garotinho, quando prefeita de Campos.

A verdade é que a concessionária Águas do Paraíba S. A. cumpre um contrato de concessão obtido em licitação, tipo concorrência pública (Nº 001/96), realizada no dia 16 de setembro de 1996, com prazo de concessão de 30 anos previsto na licitação, com possibilidade de prorrogação, a partir da ordem de serviço inicial, que foi emitida no dia 14 de setembro de 1999.

Nos governos Mocaiber, em 23 de novembro de 2007, e depois Rosinha, em 20 de maio de 2015, foram assinados termos aditivos para prorrogação do prazo de concessão com a PMCG.
Mocaiber concedeu mais 108 meses, já Rosinha, em 2015, mais 72 meses. Assim, o contrato foi prorrogado até setembro de 2021.

Manipulando e omitindo

Não é de se estranhar que o filho de Garotinho e Rosinha tente manipular a população de forma tão grotesca e primária creditando os aumentos à atual gestão municipal, já que, nos últimos anos, em gestões anteriores, a correção das tarifas de água em Campos sempre foi acima dos índices inflacionários.

Entre 2009 e 2017, a PMCG reajustou as tarifas de água e esgoto acima do dobro da inflação: Tarifas 131,94% x IPCA de 65,08%.

No último ano (de 2016 para 2017), na gestão da sua mãe Rosinha, o reajuste da tarifa foi de 15,286% (R$ 3,199/m³ x 3,688/m³) contra um IPCA de 6,29%.

Como aprendiz de feiticeiro, o debutante deputado está deixando claro que, se pretende seguir esse tortuoso caminho, ainda tem muito que aprender com seu líder político doméstico.

NENHUM COMENTÁRIO