Jonas Lopes delata QUASE todos envolvidos e sai do país com a família

0
Jonas Lopes delata e é autorizado pelo STJ a sair do país

Segundo Jornal O Dia em sua edição de Hoje Após delatar quase todo mundo, o campista ex-presidente do TCE/RJ Jonas Lopes de Carvalho Jr. foi autorizado pelo STJ a a sair do pais com a esposa, o filho, a nora e dois netos, por 40 dias. A reclamações de quem em sua delação ele teria omitido um grande aliado e sua esposa. Mas teria delatado seus colegas Conselheiros do TCE, prefeitos e empresários. Jonas teria decidido realizar a delação para tentar salvar a carreira do filho Jonas Neto, advogado de Garotinho, também acusado na Lava Jato. Mais informações durante o dia. Leia abaixo a matéria de O Dia na íntegra.

Se faltou gente na delação premiada, omissão pode levar a quebra do acordo judicial

Jonas Lopes delata quase todo mundo e sai do país
Jonas Lopes delata quase todo mundo e sai do país

Para relembrar

A Operação Lava Jato, comandada pelo juiz Sérgio Moro, e aplaudida pela grande maioria dos brasileiros por fazer valer a mão pesada da justiça em quem acreditava piamente na impunidade, chegou primeiro a Campos dos Goytacazes através da acusação na delação premiada do ex-diretor da Odebrecht Leandro Azevedo de que o advogado Jonas Lopes de Carvalho Júnior operava na aprovação de contratos que favoreciam a Odebrecht no Rio. Segundo Leandro Azevedo, Jonas Lopes pediu propina a executivos das três empreiteiras do consórcio responsável pela linha 4 do metrô do Rio: Queiroz Galvão, Odebrecht e Carioca Engenharia.

Os pedidos de propina envolveriam o Maracanã e a Linha 4 do Metrô do Rio. Leandro Azevedo afirma que o valor de R$ 1 milhão foi entregue ao filho de Jonas Lopes, e advogado de Garotinho, Jonas Lopes de Carvalho Neto, no escritório de advocacia Lopes de Carvalho e Pessanha Advogados Associados (CNPJ: 09.330.783/0001-46), que ocupa um conjunto de sete salas no Centro do Rio. Essa empresa foi fundada em sociedade com o atual desembargador Francisco de Assis Pessanha Filho, sobrinho de Jonas, que foi Procurador Geral do Município de Campos dos Goytacazes no Governo Rosinha Garotinho.

Trajetoria

O advogado Jonas Lopes de Carvalho Júnior, campista dos mais notórios, é ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro por três mandatos e protagonista de uma carreira impressionante e meteórica, sempre como líder do braço jurídico/familiar do grupo político de Anthony Garotinho.

Filho do grande advogado criminalista Jonas Lopes de Carvalho, “Joninhas”, como é mais conhecido pelos campistas, ele passou pelos bancos escolares do Externato Regina, e do Liceu de Humanidades de Campos. Depois, seguindo a forte vocação familiar, cursou a tradicional Faculdade de Direito de Campos.

O jovem Jonas Lopes de Carvalho Júnior já vislumbrava a vida como um sucesso. Daí para frente estagiou advocacia no escritório do seu pai, o célebre Dr. Jonas Lopes de Carvalho e, depois disso, de posse da carteira de nº 36.424, da OAB, passou a exercer plenamente a profissão no mesmo escritório do seu pai.

Fiel escudeiro de Garotinho e Rosinha

Jonas Lopes tem a sua trajetória ligada à Rosinha e Garotinho
Um fiel escudeiro, Jonas Lopes tem a sua trajetória intimamente ligada à Rosinha e Garotinho

Sempre empreendedor se tornou homem de confiança de Garotinho e foi Procurador da Prefeitura Municipal de Campos, em seu governo, Presidente da Caixa de Assistência e Previdência de Campos dos Goytacazes, também no governo Garotinho, e Secretário de Estado Chefe do Gabinete Civil da Governadoria do Estado do Rio de Janeiro, quando Garotinho era governador do Estado do Rio de Janeiro.

Desse último cargo, saiu ao ser indicado pelo seu líder político como Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, através de mensagem enviada por Garotinho ao TCE no dia 19 de abril de 2000: “… honra-me levar à deliberação dessa Colenda Casa de Leis, o nome do Advogado Jonas Lopes de Carvalho Júnior para os fins do art. 99, XV, da Constituição local, possibilitando, depois de aprovado, sua posterior nomeação para o cargo de Conselheiro do Egrégio Tribunal de Contas deste Estado… (Anthony Garotinho Governador do Estado)”. Uma, bastante discutida na época, emenda à Constituição Estadual permitiu a nomeação de Lopes, alterando a lei que determinava que a vaga caberia ao Ministério Público Estadual.

Durante essa movimentada trajetória ascendente, “Joninhas” sempre se manteve fiel ao seu líder. Além de ter sido assessor de Garotinho na Prefeitura de Campos (RJ) e tesoureiro de campanha para o governo, em 98, ele foi investigado junto com Rosinha pela Receita Federal e pelo Ministério Público por suspeita de envolvimento em fraudes no programa de Garotinho, na rádio Tupi, em 95, além de ter sido sócio de Garotinho e de sua mulher Rosinha em pelo menos três empresas, todas extintas. Segundo a Folha de São Paulo de 13 de julho de 2001: “A primeira sociedade entre Lopes e Garotinho foi na empresa Segredo da Rosa Comércio de Produtos de Beleza Ltda., criada em dezembro de 94, depois que Garotinho perdeu o governo do Estado. Em 95, Garotinho vendeu as cotas a Lopes. A empresa foi extinta no mesmo dia que a Garotinho Editora Gráfica LTDA ME. Rosinha e Lopes foram sócios na Distribuidora Tem de Tudo de Campos Ltda, aberta em agosto de 95, e que já encerrou as suas atividades.”

NENHUM COMENTÁRIO