Gravação entre cabo eleitoral e líder do tráfico pode complicar a vida de políticos da região

0

A notícia da semana, a Operação Verde Oliva, iniciada após a morte do militar do exército Hugo Soares de Alvarenga, no dia 24 de junho deste ano, em uma ação conjunta das polícias Civil, Militar e do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que teve seu desfecho nessa terça-feira com a prisão de 28 pessoas, inclusive um petroleiro que é armeiro do bando e um jogador de futebol, ligadas a facção Terceiro Comando Puro (TCP), através de interceptações telefônicas com autorização judicial, promete ainda dar muito que falar, principalmente por uma gravação entre um cabo eleitoral e o líder do tráfico, que pode complicar a vida de famosos políticos da região

Cabo eleitoral é gravado fazendo acordo com líder do tráfico do Eldorado

Além dos notórios componentes da facção TCP que controla tráfico no Eldorado, diversos políticos estariam envolvidos com os meliantes mediante “compra de proteção” para realização de atos políticos eleitorais nos bairros dominados.

A mais contundente das interceptações telefônicas seria a do proprietário de um famoso trio elétrico e de um bloco, com o líder da quadrilha, Cassiano Soares da Silva Vicente, o “Cotó”, preso na Penitenciária Carlos Tinoco da Fonseca, de onde dava ordens à sua facção, entre elas, as de execuções e de acordos políticos.

Acordo com traficante para fazer campanha eleitoral no Eldorado incluía advogado e salário mensal

O empresário de shows e promoções, surpreendido nas escutas telefônicas fazendo ofertas e acordos com o líder da quadrilha, é cabo eleitoral de dois políticos de uma notória facção e foram candidatos a deputado estadual e federal.

Entre os benefícios oferecidos na gravação estão vantagens financeiras, assistência jurídica e um salário mensal para o líder do tráfico no Eldorado.

Então a proposta é ajudar ele e… pra ele ganhar. Falou que ia ajudar emprego, advogado, falou vinha aqui na cadeia conversar comigo aqui e falou que ele tendo ajuda aqui e ele ganhando dá um salário todo mês”. (Cotó, líder da quadrilha)

A mãe de todas as coincidências

Nessa quarta-feira, os fortes rumores de que a rede Record de TV iria revelar os nomes dos envolvidos no seu jornal do meio dia, o Balanço Geral, durante uma entrevista com autoridades judiciais que atuam no caso, colocaram muita gente de plantão na frente da TV, mas a entrevista não foi ao ar, sendo o programa local substituído pela edição de São Paulo.

Na Record, o noticiário local foi substituído pelo de São Paulo sob a justificativa de “problemas técnicos”

“Problemas técnicos”

Diante do fato totalmente inusitado, a equipe do Somos Online ligou para a emissora e falou com o departamento de jornalismo para se informar sobre os motivos que causaram a suspensão do noticiário regional, a pessoa que atendeu, uma estagiária, alegou que “problemas técnicos” impediram a edição local do telejonal de ir ao ar.

Segundo outras fontes, a matéria teve que ser editada e irá ao ar na edição noturna do noticiário da emissora. Vamos conferir.

NENHUM COMENTÁRIO