Garotinho no país das fantasias com o seu amigo imaginário

0

Demonstrando não ter mais o que fazer para tentar manter-se em evidência utilizando as desventuras dos seus ex-amigos Cabral e Picciani, agora transformados por ele em inimigos, esta semana Garotinho divulgou um fantasioso texto em suas redes sociais sob o título “Um dia a história entenderá!”.

Não se sabe se movido pelo medo de ser preso pela quarta vez, de ser condenado outras vezes, por medo da “tumba” do ostracismo político onde se meteu por seus próprios pés, ou apenas jogando mais um pouco da velha e manjada cortina de fumaça com que tenta desviar as atenções dos seus próprios mal feitos, ele criou um texto onde os culpados por suas desventuras são os outros.

Amigo imaginário

Como todo Garotinho, ele supostamente criou um amigo imaginário com quem dialoga. Claro, ele poderá negar e sacar alguém da cartola que se disponha a declarar que manteve o tal improvável diálogo com ele, que, para transcrevê-lo, deveria estar de caneta e papel na mão anotando meticulosamente ao pé da letra as 464 palavras supostamente ditas entre eles. Façanha difícil até para um jornalista experiente.

Se um amigo imaginário for realmente o caso do ex-governador, é preocupante.

Uma criança criar amigo imaginário é criatividade e conforto emocional, mas um adulto criando um amigo imaginário deve ser alvo de estudos. Veja abaixo:

À luz da ciência

Segundo a psicologia, um amigo imaginário pode ser uma importante fonte de conforto emocional quando a criança (?) passa por dificuldades. Algumas delas desenvolvem amigos imaginários após terem passado por um trauma e esse amigo pode ser um recurso fundamental para gerir as suas emoções.

Tudo bem que nem todos têm a mesma facilidade de lidar com o outro, com a sociedade, mas se espera níveis mais maduros de se reagir a essa dificuldade. Imaginar um amigo é uma forma bem imatura e, certamente, vem associado a um baixo rendimento em várias outras funções, como o trabalho e o relacionamento familiar, e é sinal de uma profunda fragilidade psíquica. Em um adulto, é sempre preocupante quando alguém manifesta conversar com amigos imaginários.

Os culpados são os outros

Falando do texto propriamente dito, é muito interessante que Garotinho credite todas as suas desventuras aos outros, de nada assume a culpa. Segundo o seu texto, a Globo, Sérgio Cabral, Picciani, o Rei Arthur e o judiciário são a fonte de todos os seus problemas

Formação de quadrilha

Mas, em suas fantásticas fantasias, ele não esclarece, entre outras coisas, a sua condenação pelo crime de formação de quadrilha armada, confirmada em 2ª Instância pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), e com a pena, que em 1ª instância era de 2 anos e 6 meses de reclusão, em regime aberto, ampliada para 04 anos e 06 meses, com mudança para o regime semiaberto, quando o preso dorme na cadeia. (https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2018/09/04/trf-2-mantem-condenacao-e-aumenta-pena-de-garotinho-por-formacao-de-quadrilha.ghtml)

Improbidade

Também se esqueceu de falar sobre a sua condenação no Tribunal de Justiça do Rio, numa ação de improbidade administrativa que o acusa de desviar R$ 234,4 milhões da Secretaria Estadual de Saúde entre 2005 e 2006. Neste período, sua mulher, Rosinha Matheus, governava o estado. A sentença cassa os direitos políticos de Garotinho por oito anos. A Justiça determinou ainda o pagamento de R$ 2 milhões por danos morais e multa de R$ 500 mil. (https://oglobo.globo.com/brasil/justica-suspende-direitos-politicos-de-garotinho-por-8-anos-22922309)

Corrupção eleitoral

Mas a conveniente amnésia de Garotinho não parou por aí. Ele também não fala que foi condenado por conta da Operação Chequinho da Polícia Federal que desbaratou o maior escândalo de compra de votos de Campos, quando era secretário de Governo da prefeitura de Campos dos Goytacazes, pela inclusão irregular de beneficiários do programa Cheque Cidadão em troca de votos em Rosinha, tendo sido condenado a 9 anos, 11 meses e 10 dias de prisão pela prática dos crimes de corrupção eleitoral 17.515 vezes, associação criminosa, supressão de documento público e coação durante o processo. Garotinho permanece em liberdade até o julgamento do recurso. (https://www.conjur.com.br/2017-set-13/garotinho-condenado-anos-11-meses-prisao-corrupcao)

Essas e muitas outras condenações falam por si mesmas…

Leia abaixo o texto de Garotinho na íntegra:

“Um dia a história entenderá!

– Ontem, eu e um amigo travamos uma conversa que começou com a seguinte pergunta: Você não se arrepende de ter feito essas denúncias contra essa gente poderosa do estado que hoje te persegue?

Minha resposta foi: Não! Eu apenas entendo…

– Você não acha que criou problemas de mais com a globo, com Sérgio Cabral, Picciani, o Rei Arthur e centenas de outros empresários e políticos envolvidos com a corrupção?

– Respondi: Não! Eu apenas entendo…

– Você não acha que ter denunciado o poder judiciário do estado foi um erro? E que eles não deixarão você ser candidato?

– Não! Eu apenas entendo…

– Entende o que?

– Sabia desde o início que não seria fácil, que poderia ser perseguido, processado e até preso, mas a outra opção é a dos covardes: fingir que nada está acontecendo. A vida é feita de escolhas e eu fiz a minha. E toda escolha tem um preço! Estou pagando o preço das minhas. O silêncio talvez me trouxesse benefícios materiais e quase nenhum problema, mas me traria um sentimento de covardia e cumplicidade que eu jamais me perdoaria.

– E o que você ganhou com isso?

– Três prisões, uma centena de processos, inimigos poderosos e corruptos e infelizmente, a incompreensão de boa parte da população.

– Mas isso não te incomoda?

– Eu compreendo! Numa sociedade que está apodrecida como a nossa eu estaria estranhando se estivesse sendo aplaudido.

– Mas e aí o que vamos fazer?

– Sinceramente? Não sei! Ninguém sabe! Eu fiz o que a minha consciência e o meu dever cobrou de mim. Perdi amigos que nunca foram amigos. Portas foram fechadas porque estavam abertas por interesse. Falei o que todo mundo sabia, mas não tinha coragem para dizer e, os que praticavam os erros não queriam ouvir.

– Mas isso só te levou ao isolamento. Hoje nem partido para ser candidato você tem! Até isso te tiraram!

– É. O que eu posso fazer? Eu compreendo! É bem capaz deles elegerem alguém que pareça ser de oposição para dar continuidade a tudo que está aí.

– E você como ficará?

– Não sei! Fiz o que achei certo. O tempo decifra os fatos melhor do que um momento! Talvez um dia me deem razão!

– Um dia pode ser tarde!

– Eu entendo a sua pressa. A sua angústia. As vezes sinto a mesma dor, mas eu já fiz a minha opção e ela foi por falar o que eu considero o certo e agir de uma forma pouco comum. Se agigantar diante dos grandes e se apequenar para conversar com os humildes. A maioria prefere o contrário.

– Eu não entendo você!

– Não tem problema! Um dia com certeza a história entenderá!

Anthony Garotinho”

Nota da redação:

A equipe do Somos apenas entende. Afinal, a cada dia mais nuvens negras surgem no horizonte do país das fantasias de Garotinho, com ou sem o seu amigo imaginário…

NENHUM COMENTÁRIO