Ex-subsecretário de Saúde do RJ e mais 4 são presos por compra de respiradores

0

A ação batizada de “Operação Mercadores do Caos” que está desbaratando a quadrilha que comprou respiradores conta com apoio do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Sonegação Fiscal e aos Ilícitos contra a Ordem Tributária (GAESF/MPRJ), de agentes da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ) e da Delegacia Fazendária (DELFAZ).

Exonerado em abril por Witzel, o ex-subsecretário estadual de Saúde Gabriell Neves e mais três pessoas foram presas na manhã dessa quinta-feira, no âmbito da “Operação Mercadores do Caos”, da Polícia Civil, para desbaratar uma quadrilha que montou um esquema para obter vantagens em meio à pandemia de coronavírus, através de negociações fraudulentas com o governo do Estado do Rio de Janeiro.

Indicação de Pastor Everaldo

Gabriell Neves, que é advogado, centralizava todas as compras realizadas pela secretaria estadual de Saúde, pasta com influência de Pastor Everaldo Dias Pereira, dono do PSC, partido de Witzel. Neves começou no cargo no início de fevereiro deste ano por indicação de Edmar Santos.

Ex-amigão de Garotinho

Pastor Everaldo, Padrinho do subsecretário preso, foi subsecretário de Gabinete Civil de Garotinho

No passado, Everaldo operava em parceria com o ex-deputado Eduardo Cunha (MDB) na gestão do ex-governador Anthony Garotinho (PRP), do qual foi subsecretário de Gabinete Civil. E também foi citado em delação premiada por suspeita de receber R$ 6 milhões para favorecer Aécio Neves (PSDB) em debates quando ambos eram candidatos à Presidência, em 2014. Ele sempre negou.

Gabriell diz que secretário Edmar Santos anuía ou determinava

“As compras eram determinadas pelo secretário Edmar Santos ou com anuência dele. Outras pessoas também poderiam, eventualmente, demandar uma necessidade. Mas tudo era feito em consonância com o secretário. Ele avalizava o que era solicitado pelos quadros técnicos”. (Gabriell Neves a Veja)

Quatro presos e 13 mandados sendo cumpridos

Além dos quatro já presos, equipes do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc/MPRJ) e da Delegacia Fazendária também cumprem 13 mandados de busca e apreensão por todo Estado.

Além de Gabriell, foram presos Gustavo Borges da Silva e Aurino Batista de Souza Filho, e um quarto acusado que ainda não tece seu nome divulgado.

O grupo é suspeito de ter obtido vantagens na compra emergencial de respiradores para pacientes de Covid-19 no estado, através de uma empresa de informática.

Um bilhão de reais

Os contratos sob investigação para compra de respiradores, máscaras e testes rápidos sem licitação chegam a um bilhão de reais.

Mais duas ações estão sendo investigadas

1) A montagem de 7 hospitais de campanha no valor de 835 milhões, inclusive o de Campos, pelo Instituto de Atenção Básica Avançada à Saúde (Iabas)

2) Contratação de uma empresa para gerenciar serviço de Samu por R$ 76 milhões, sem licitação, que, anteriormente, era exercido pelo Corpo de Bombeiros.

Investigação em sigilo

O material apreendido servirá para instruir as próximas etapas da investigação que está em andamento. Há sigilo judicial decretado.

as apurações”, disse o MP.

NENHUM COMENTÁRIO