Descredenciamento da Rad Med pode causar prejuízo aos cooperados da Unimed

0

Em um ato visto como meramente político, a Unimed Campos está descredenciando, unilateralmente, a Rad Med Diagnóstico por Imagem, a maior e mais completa clínica de diagnósticos por imagem da região, e há décadas credenciada naquela operadora de saúde.

Estranha decisão

Em 2017, a Rad Med e os usuários da Unimed Campos, que adquiriram os seus planos com a clínica incluída, foram surpreendidos com essa estranha decisão, exclusivamente, contra a Rad Med. O que joga por terra a alegação da Unimed de passar a utilizar seu próprio centro de diagnósticos, já que outros fornecedores de diagnósticos por imagem não foram igualmente atingidos pela questionável decisão.

Abaixo-assinado ao Procon com mais de 4.000 assinaturas contra o descredenciamento

Tendo realizado sólidos investimentos para atender ao usuário da Unimed com o que há de melhor e mais moderno em diagnóstico por imagem, com profissionais gabaritados e equipamentos de última geração, a Rad Med acompanha, com bastante preocupação, os próximos passos do Procon que moveu uma uma Ação Civil Coletiva contra a Unimed em nome de mais de 4 mil usuários do plano, obtendo uma liminar contra o descredenciamento, recentemente tornada sem efeito.

Novos processos a vista

Até o momento, a Rad Med ainda não está processando diretamente a Unimed, o que poderá vir a ocorrer se o TJ mantiver a decisão do juiz de Campos. Mas a Rad Med continua prestando serviços e realizando os exames médicos até o dia 28 de fevereiro.

Pelo que se observa, esse caso ainda parece estar longe de acabar. Pois todos os todos os esforços deverão ser empreendidos para que o bem-estar e tranquilidade de mais de 48 mil usuários da Unimed – Campos não sejam definitivamente prejudicados por decisões políticas de poucas pessoas tomadas em nome de toda uma classe. Decisões radicais que, para serem mantidas, obrigaram a contratar uma clínica de imagens de um grupo que possui um plano de saúde concorrente.

Cooperados poderão ser prejudicados

Involuntariamente, os cooperados da Unimed poderão ver-se envolvidos em custosas batalhas judiciais que, eventualmente, poderão trazer altos custos para aquela cooperativa médica e uma enxurrada de indenizações aos usuários que se sentem lesados pela mudança compulsória nos planos contratados e que já se movimentam em bloco para mover Ação de Reparação de Danos.

Para entender melhor o caso do descredenciamento da Rad Med pela Unimed – Campos

A Rad Med é uma das principais prestadoras de serviços médicos da Unimed, estando credenciada há cerca de 30 anos. Porém, a atual diretoria da Unimed, há mais ou menos um ano, certamente por razões de política interna, decidiu promover o descredenciamento da Rad Med, o que motivou a reação de um grande número de usuários do aludido plano de saúde que encaminharam um abaixo-assinado ao Procon, com mais de 4.000 assinaturas, pedindo providências ao aludido órgão. Em razão disso, o Procon ingressou com uma ação civil coletiva contra a Unimed, objetivando impedir o descredenciamento, ao argumento de que a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) exige que um plano de saúde, para descredenciar uma empresa prestadora de serviços, comprove haver na cidade outras clínicas que possam atender aos usuários com equivalência na qualidade dos serviços. Diante disso, o Juízo da 4ª Vara Cível de Campos concedeu uma liminar impedindo o descredenciamento até que a Unimed provasse existir a equivalência dos serviços. Contra essa decisão, a Unimed ingressou com recurso de agravo de instrumento, mas a 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça-RJ manteve a liminar. O processo teve, então, prosseguimento, tendo a Unimed alegado que o seu CDU (Centro de Diagnóstico Unimed) tem capacidade para realizar, em igualdade de condições, os mesmos exames disponibilizados pela Rad Med. Embora não tenha sido comprovada a equivalência, o mesmo Juízo que havia deferido a liminar em favor do Procon resolveu, agora, voltar atrás e permitiu o descredenciamento, inclusive, inadmitindo a prova pericial com que se pretendia estabelecer a comparação dos serviços prestados pelas empresas. Diante disso, certamente, será interposto agravo de instrumento pelo Procon, a fim de que o Tribunal de Justiça volte a analisar a questão. Enquanto isso não se decide em segunda instância, a Rad Med continua prestando serviços e realizando os exames médicos até o dia 28 de fevereiro, data em que se encerra o prazo de 30 dias fixado pelo juiz para que se efetive o descredenciamento. Ressalte-se que não existe ainda nenhuma ação da Rad Med contra a Unimed, o que poderá vir a ocorrer se o TJ mantiver a decisão do juiz de Campos. Por outro lado, se o descredenciamento se efetivar, acredita-se que venham a serem propostas inúmeras ações individuais de caráter indenizatório dos usuários contra a Unimed, visto que estes poderão sentir-se prejudicados, porque, quando adquiriram o plano de saúde, a Rad Med constava como prestadora de serviços e, com a exclusão desta, os consumidores ficarão sem essa possibilidade de optar por realizarem seus exames na aludida clínica.

Explicações

Resta agora que os cooperados da Unimed, na iminência de verem obrigados a dividir os eventuais prejuízos causados pela estranha decisão, exijam energicamente explicações plausíveis da direção da cooperativa médica que possam justificar o descredenciamento compulsório de um dos seus melhores serviços oferecidos, e porque apenas a Rad Med está sendo descredenciada.

O Somos Online coloca o seu espaço a disposição para as explicações da Unimed/Campos, caso as tenha e queria dá-las.

NENHUM COMENTÁRIO