Novo diretor da PF defende Temer e é taxado de pau-mandado por Janot

0
20/11/2017- Brasília – DF, Brasil- Solenidade de Transmissão do Cargo de Diretor-Geral da Polícia Federal ao Delegado Fernando Queiroz Segovia Oliveira

Pau-mandado: substantivo masculino, Indivíduo sempre às ordens para tudo o que lhe mandem fazer

“Precisa estudar um pouquinho direito processual”

Rodrigo JAnot
Rodrigo Janot

As declarações do novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, de que a investigação sobre a mala com R$ 500 mil entregue pela JBS a Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor do presidente Michel Temer, teria sido encerrada antes do tempo, afirmando que “uma única mala” não daria a “materialidade criminosa” necessária para resolver se havia ou não crime, e que havia “interrogações” sobre a investigação, foram rebatidas pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot: “A pergunta que não quer calar é: ele se inteirou disso ou ele está falando por ordem de alguém? O doutor Segóvia precisa estudar um pouquinho direito processual penal. Nós tínhamos réus presos. Em havendo réu preso, se ele não sabe disso é preciso dar uma estudadinha, o inquérito tem que ser encerrado num prazo curto, e a denúncia, oferecida, senão o réu será solto. Então, nós tínhamos esse limitador. Ele é mesmo um pau mandado“, finalizou Janot.

Ministro Gilmar Mendes e o Dr. Fernando Segóvia, diretor-geral da Polícia Federal, durante assinatura de acordo entre o TSE e a PF. Brasília-DF, 16/11/2017 Foto: Roberto Jayme/Ascom/TSE
Ministro Gilmar Mendes e o Dr. Fernando Segóvia, diretor-geral da Polícia Federal, durante assinatura de acordo entre o TSE e a PF. Brasília-DF, 16/11/2017
Foto: Roberto Jayme/Ascom/TSE

Posse dada pelo próprio denunciado

Procurador Carlos Fernando dos Santos Lima . Foto Otavio Conci
Procurador Carlos Fernando dos Santos Lima . Foto Otavio Conci

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, da força-tarefa da Operação Lava Jato, também fez duras críticas às infelizes declarações novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia sobre o inquérito envolvendo o presidente Temer: “Sua opinião pessoal é totalmente desnecessária e sem relevância, ainda mais quando dada em plena coletiva, após a posse que lhe foi dada pelo próprio denunciado”, declarou em rede social.

NENHUM COMENTÁRIO