Trio rosa na expectativa da decisão judicial para ocupar a prefeitura de Campos

0

Apesar de ter conseguido cerca de dez mil votos a mais que o seu adversário em uma eleição de segundo turno bastante apertada, o candidato Wladimir Garotinho, já posando como prefeito eleito de Campos, comete mais uma fake news ao se autoproclamar prefeito eleito do município de Campos, pois a sua chapa está impugnada e consta como “anulada sub judice” no site do TSE, a espera de julgamento de recurso, o que deverá acontecer até o próximo dia 3. Até lá, dizer-se prefeito eleito não passa de mais uma fake news, como as que levaram o Ministério Público a desbaratar a quadrilha que repetia as falsas notícias que pesaram no impulsionamento da sua campanha eleitoral, mais precisamente, como comprovou o MPE com auxílio do Facebook internacional, 50 vezes de impulsionamentos pagos em sua própria página do Facebok, com as fakes sendo incansavelmente replicadas por numerosos militantes da “Facção Rosa”.

Explicação do TSE desmente fake news que Wladimir já estaria eleito

Nada melhor para tirar as dúvidas do que conferir a página do TSE que explica a verdadeira situação do candidato impugnado Wladimir Garotinho. Confira o que diz o TSE:

“Embora tenha obtido o maior número de votos, ele não foi proclamado vencedor, pois sua candidatura está sub judice.

Com 121.174 votos válidos, 52,40% do total, Wladimir Garotinho, do PSD, foi o candidato com a maior votação do município de Campos dos Goytacazes (RJ). Embora tenha tido um percentual maior de votos do que o opositor, Caio Vianna (PDT) – que obteve 110.094 votos (47,60%) –, o candidato não foi proclamado vencedor da eleição, pois está com o registro de candidatura sub judice.”

“Isso quer dizer que ele pôde participar da eleição por estar com um recurso pendente de julgamento e só poderá ser decretado prefeito após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) analisar o caso.” (Atualizado em 29.11.2020 – 22:50)

Veja o print:

Presidente do TSE admite eleições suplementares em 2021 em cidades com vencedores sub judice

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, acenou com a possibilidade de haver eleições suplementares em 2021 para definir os prefeitos de cidades onde candidatos concorreram sub judice — ou seja, com registro eleitoral pendente de decisão judicial.

Em Campos dos Goytacazes e em Petrópolis, no estado do Rio, por exemplo, os candidatos vencedores tiveram o registro negado pela Justiça.

Barroso afirmou que os recursos que já chegaram ao TSE serão julgados ainda neste ano. No entanto, se forem indeferidos, será necessário realizar eleições suplementares nessas cidades. O mais provável é que não haja tempo hábil para fazer isso antes de 1º de janeiro, quando se iniciam os mandatos.

— Estamos organizando para julgar todos os recursos que já chegaram ao TSE anteriormente à data da diplomação. Nós vamos fazer o melhor esforço para julgar os casos que já chegaram aqui em recurso. Realizar as eleições antes de 1º de janeiro, eu gostaria de dizer que sim, mas, verdadeiramente, não é realista — afirmou.

Em Campos, Wladimir Garotinho (PSD), filho do ex-governador Anthony Garotinho, teve 52,4% dos votos válidos no segundo turno, derrotando Caio Vianna (PDT). Em Petrópolis, Rubens Bontempo (PSB) alcançou 55,18%, à frente de Bernardo Rossi (PL). Se eles conseguirem uma decisão definitiva da Justiça Eleitoral deferindo os registros de candidatura, poderão assumir os cargos sem problemas. (com informações de O Globo)

Risco de frustrar as expectativas

Como se vê, melhor seria aguardar a decisão do Tribunal Superior Eleitoral do que contar com o “ovo ainda inserido no contexto da galinha”. Uma decisão desfavorável a Wladimir Garotinho, após se criar tanta expectativa, poderá levar a uma profunda frustração coletiva entre os militantes da Facção Rosa de olho nas benesses de um eventual governo rosa.

Fake news podem levar a inelegibilidade de Wladimir

Mas os percalços do herdeiro da dinastia rosa não param por aí. Além da impugnação da chapa, que pode deixar Wladimir fora da cadeira de prefeito de Campos, o MPE quer a sua inelegibilidade por abuso de poder econômico e divulgação de fake news.

Na última sexta-feira, o Ministério Público Eleitoral desfechou a “Operação Propaganda Limpa” que cumpriu pedidos e mandados de busca e apreensão contra 11 pessoas ligadas a Wladimir Garotinho suspeitas de atuarem no esquema de propagação de notícias falsas (Fake News) para atingir a imagem do seu opositor Caio Viana, utilizando sites de fachada e perfis no Facebook. Confira no link abaixo:

https://somosassim.com.br/portal/mpe-quer-inelegibilidade-de-wladimir-por-abuso-de-poder-economico-e-fake-news/

NENHUM COMENTÁRIO