Ministério da Saúde quer colocar água na vacina contra febre amarela

0
O ministro da Saúde Ricardo Barros

Após prometer que haveria vacina para toda a população, agora o Ministério da Saúde estuda fracionar as doses de vacina para conseguir atender a mais gente. Em muitos postos espalhados pelo país as doses estão acabando antes do previsto. Como no Rio de Janeiro, que não está na área de vacinação obrigatória, mas é a maior cidade do país com uma campanha de vacinação de larga escala em andamento.

Demanda ultrapassa todas as expectativas

Demanda supera expectativas
Demanda supera expectativas

Na Bahia, 23 municípios confirmaram mortes de macacos por febre amarela e no interior de São Paulo, a procura pela vacina dobrou.

Os estados vão enviar até a próxima terça-feira (4) os pedidos extras de vacina. Já foram confirmados em todo o Brasil quase 500 casos da doença que levaram a 162 mortes.

Água na Vacina

A estratégia pode ser considerada um “jeitinho” brasileiro para atender mais pessoas
A estratégia pode ser considerada um “jeitinho” brasileiro para atender mais pessoas

Na impossibilidade de aumentar a produção de vacinas contra febre amarela, o Ministério da Saúde estuda dividir cada dose em cinco, em um tipo de vacina diluída para atender um número maior de pessoas. O que levaria a baixar a imunização pela vacina para apenas um ano, exigindo reforço após esse período, diferente da vacina atual que só exige reforço após dez anos. A estratégia pode ser considerada um “jeitinho” brasileiro para atender mais pessoas ao mesmo tempo colocando “água” na vacina.

Ministro da Saúde confirma

O ministro da Saúde Ricardo Barros
O ministro da Saúde Ricardo Barros

Na próxima semana, a alternativa estará na pauta de uma reunião de técnicos do Ministério da Saúde. Segundo o ministro da Saúde Ricardo Barros: “Se o ministério decidir fazer a disposição de vacinas para áreas onde não há recomendação, ele poderá ampliar o número de doses fracionando a dose, que tem o mesmo efeito de imunização, só que por um período menor de apenas um ano”.

NENHUM COMENTÁRIO