Diretora de escola municipal processa Albertinho civil e criminalmente

0

“Repórter de Quintal”

Mais uma vez o ex-vereador, derrotado e condenado na Chequinho, Albertinho Marques Nogueira, “disparador de bobagens” e improvisado “repórter de quintal”, fica em maus lençóis. Em uma das suas últimas bobagens no Facebook, no dia 01 de novembro, ele atacou sem provas a professora Jailza Nunes, que reagiu devidamente na forma da lei.

A diretora Jailza Nunes
A diretora Jailza Nunes

Acusação com as letras, mas nenhuma prova…

Agora, além de derrotado nas últimas eleições e condenado na Chequinho, Albertinho está sendo processado civil e criminalmente pelos crimes de calúnia e injúria pela professora Jailza Alves Nunes, diretora da Escola Municipal Prisco de Almeida, por supostas “denúncias” em seu perfil do Facebook, onde afirmou com todas as letras, mas nenhuma prova, que a diretora havia perseguido e demitido uma funcionaria por ter reclamado de falta de merenda.

albertinho-diretora-1-xVai responder por calúnia e injúria

O advogado da professora Dr. Glaidemir Resende afirma que as declarações infundadas configuram injúria e calúnia, e trazem danos à imagem e reputação da profissional de ensino, levando a graves danos morais, que ficarão demonstrados no processo 0030109-57.2017.8.19.0014, já protocolado na 1º Vara Cível  e na Vara do  Juizado Especial Criminal.

Quem compartilhou é cúmplice

Ainda segundo o advogado, existe a possibilidade de processar todos aqueles que fazem parte da lista de compartilhamento da postagem do ex-vereador, já em sua posse.

Albertinho se defende apenas com suposições

Ouvido pelo telefone, Albertinho tentou se defender dizendo que tem em mãos a cópia do ofício em que a diretora devolve a merendeira para a Secretaria de Educação, Cultura e Esporte, informando que não tinha mais condições de trabalhar com a funcionária, contratada em Regime de Pagamento Autônomo (RPA), e afirmou que a merendeira foi demitida sem receber os respectivos salários e que ela declarou ter sido perseguida pela diretora, pois a demissão aconteceu cinco dias depois dela ter denunciado a falta de merenda na escola.

Com informações do site Ururau

NENHUM COMENTÁRIO