Especialista alerta: Diabetes é a grande vilã dos olhos dos campistas

0
quando numa foto com flash o reflexo de um olho fica branco e o outro vermelho. É um grande sinal

Entrevista com Dr. Luiz Roisman, Retinologista da Occhio Oftalmologia

Dr. Luiz Roisman, Retinologista
Dr. Luiz Roisman

Em entrevista à equipe da Somos Online, o médico especialista em Retinologia Dr. Luiz Roisman alertou que a diabetes é a maior vilã dos olhos dos campistas, mas que outras patologias precisam ser prevenidas e tratadas precocemente, para isso é muito importante que seja feita anualmente uma avaliação com mapeamento de retina, um exame que pode detectar problemas graves, como glaucomas e tumores que afetam os olhos, e também problemas da saúde em geral. “A retina é uma janela do corpo”, diz o especialista.

SO: O que é a Retinologia?

LR: É a área da oftalmologia que trata de todas as doenças relacionadas à retina, ao vítreo, na realidade uma boa parte do olho. O olho inteiro existe para fazer a retina enxergar. Se o olho é uma câmera fotográfica, a retina é o filme.

SO: Quais as doenças mais comuns?

LR: A Retinopatia Diabética, a Degeneração Macular com a Idade (DMRI) e as Tromboses Venosas da Retina.

SO: Como prevenção, o que pode ser feito?

Mapeamento de retina, um exame que pode detectar problemas graves
Mapeamento de retina, um exame que pode detectar problemas graves

LR: Todo mundo tem que mapear a retina, fazer um checkup dos olhos. Depois dos 40 anos é obrigatório mapear a retina. Se estiver tudo bem, tudo normal, só faz de novo após dois anos. Mas se o paciente tem uma doença sistêmica, como diabetes, esse mapeamento tem quer ser uma avaliação anual.

 SO: Como identificar os problemas?

LR: A diabetes é uma doença silenciosa. Quando as pessoas vêm ao consultório com baixa de visão porque são diabéticas, o problema já está lá na frente. Nós já perdemos muito tempo, nesse meio do caminho, para fazer vários procedimentos menos invasivos, situações menos agressivas para o olho, que já não são mais possíveis fazer. Quando ele chega, temos que partir para uma cirurgia, um tratamento muito mais invasivo do que profilático. Esse mapeamento rotineiro é um procedimento simples, rápido e feito no consultório, e você evita muita coisa.

Retinopatia Diabética
Retinopatia Diabética

Encontrando algum problema, no caso de um diabético, se virmos que ele está evoluindo mal, indo para uma situação mais avançada da diabetes, podemos fazer um laser, uma aplicação intra-ocular, apesar de ser invasivo de certa forma, é bem menos invasivo que um laser, e são tratamentos ambulatoriais. Dá chance de recuperação e preservação da visão. Uma cirurgia seria bem pior para um diabético, principalmente.

SO: O que pode ser prevenido com a avaliação?

LR: O exame é benéfico não só para diabéticos, são várias situações que podem ser prevenidas, consegue-se ver tumores intra-oculares ainda pequenos, que a pessoa não percebe, e também o glaucoma, outra doença silenciosa. São várias situações que você consegue prevenir fazendo o exame de rotina. No exame nós vemos o nervo ótico, dependendo do estado do nervo fazemos uma avaliação. Isso, em dois minutos em um exame de risco zero.

Eu aqui acabo pegando pacientes já doentes, faço pouca medicina preventiva. Porque o volume é tão grande de pessoas com problemas de retina que eu acabo focando nos mais graves. Mas a clínica é grande, temos muitos médicos aqui atendendo que podem fazer os exames de rotina e encaminhar para mim em caso de uma patologia. Todo mundo que passou dos 40 anos tem que fazer os exames de rotina.

SO: Quais os sinais?

LR: O problema é que não há sinais de alerta. Eu sempre falo com meus pacientes que eu queria que diabetes desse uma dor desgraçada. Se diabetes desse aquela dor lancinante, o paciente procuraria logo um médico. Mas não procura, ele vai levando vinte, trinta anos com a diabetes mais ou menos controlada, faz aquele churrasco, come aquele docinho, como bolo e deixa para lá. Só vai procurar o médico quando já está perdendo uma perna, já não está enxergando direito, o rim não está funcionando… Infelizmente, diabetes é assim.

 SO: E em relação a outros problemas?

São várias outras doenças que os exames identificam aqui na clínica, e você consegue prevenir. Como o glaucoma mais comum, que é o de ângulo aberto de adulto, mas pode ser até congênito, pode-se nascer com glaucoma.

O exame é benéfico não só para diabéticos, são várias situações que podem ser prevenidas
O exame é benéfico não só para diabéticos, são várias situações que podem ser prevenidas

Não se sabe exatamente o que causa o glaucoma do adulto, mas o principal fator de risco é o aumento da pressão intra-ocular. Mas, menos comum, também existe o glaucoma de pressão normal. E o glaucoma, assim como a diabetes, é silencioso. A pessoa só vai ter perda de visão quando o glaucoma está muito avançado. O problema é que não se pode voltar. Aquilo que se deixou de tratar, perdeu. No glaucoma, perdeu aquele campo de visão, não volta. E ele é de fora para dentro, a pessoa vai perdendo primeiro o campo de visão até ficar com a visão tubular, como se estivesse olhando através de um tubo de papel higiênico.

SO: Ouvimos falar dos reflexos dos olhos nas fotos. Isso procede?

LR: Toda criança tem que passar em um oftalmologista. Toda criança. Obrigatoriamente. Isso é recomendação da Sociedade Americana de Oftalmopediatria, que são mais rigorosos, pedem exame logo ao nascer. A Sociedade Brasileira recomenda até um ano fazer um exame com um oftalmologista.

Mas muitas crianças não fazem. Está tudo bem. Vida que segue. Aí a mãe repara que quando faz uma foto com flash o reflexo de um olho fica branco e o outro vermelho. É um grande sinal. Aí ela vai ao oftalmologista. Pode ser glaucoma, catarata, ou pior, até tumores intra-oculares, que são casos importantes dessa interação de reflexos. São tumores graves.

Quando uma foto com flash o reflexo de um olho fica branco e o outro vermelho. É um grande sinal
Quando uma foto com flash o reflexo de um olho fica branco e o outro vermelho. É um grande sinal

A retina é alaranjada, o reflexo normal é alaranjado, mas quando existe uma doença como um tumor, o reflexo fica branco. É muito comum. Quem tirar uma foto de uma criança e perceber alteração de reflexo deve levá-la ao oftalmologista.

A recomendação é que leve as crianças para um exame de base até um ano de idade. As pessoas desconhecem essas recomendações de exames, a sociedade deveria ser mais firme com isso, com propagandas e divulgação dessas informações de todas as formas.

SO: E a visão dos campistas?

LR: Em Campos, a maior incidência de doenças de retina é de pacientes diabéticos. Muitos pacientes diabéticos mal controlados. São dois fatores de risco, o tempo de diabetes, isso a gente não tem como corrigir, e o descontrole. A retina é uma janela do corpo. Se o paciente tem diabetes e a retina está muito ruim, é óbvio que a circulação está ruim, o rim está ruim, o coração está ruim.

A retinopatia diabética não é uma doença do olho. É uma representação ocular de uma doença sistêmica. Para  examinar o rim tem-se que fazer uma biópsia, um procedimento invasivo. Já o olho não, mapeamento de retina, dois minutos.

OCCHIO_728X90-1

Dr. Luiz Roisman, Retinologista

Graduação em Medicina pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ

Residência Médica em Oftalmologia na Escola Paulista de Medicina – UNIFESP

Título de Especialista em Oftalmologia pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia – CBO e Associação Médica Brasileira – AMB

Especialista em Retina Clínica e Cirúrgica, pela Escola Paulista de Medicina – UNIFESP

Doutorando em Oftalmologia e Ciências Visuais pela Escola Paulista de Medicina – UNIFESP

Membro da American Society of Retina Specialists – ASRS

Possui artigos publicados em revistas internacionais de grande impacto na Oftalmologia

Revisor convidado da Revista científica “RETINA JOURNAL”

Colaborador e Pesquisador do Setor de Retina e Vítreo da Escola Paulista de Medicina – UNIFESP

Médico Oftalmologista do Departamento de Oftalmologia do Hospital São Paulo – Escola Paulista de Medicina – UNIFESP

Médico Oftalmologista do Setor de Retina e Vítreo do Hospital Federal da Lagoa- RJ

NENHUM COMENTÁRIO