Ministério Público proíbe shows na Princesa Isabel por falta de estrutura médica

0
Wladimir Garotinho colheu os louros pelo apoio ao evento

Parabéns ao Ministério Público estadual que, usando o bom senso, proibiu a realização de shows na Avenida Princesa Isabel antes, durante e após o jogo do Brasil contra a Bélgica.

O MPE alega que não foi prevista estrutura médica adequada para atendimento ao público durante o evento. Isso, apesar de os organizadores terem assinado um Termo de Ajustamento de Conduta.

Copa Eleitoral

O evento na Av. Princesa Isabel tem mostrado forte viés político-eleitoral com o apoio do pré-candidato Wladimir Garotinho, textualmente declarado pelo organizador, seu cabo eleitoral, o vereador condenado na Chequinho e afastado do cargo Thiago Virgílio, em seu perfil no Facebook.

Wladimir e Garotinho apoiando o evento

Durante o último evento, o pré-candidato filho de Garotinho e Rosinha foi o único a ter acesso ao alto do trio elétrico durante o evento. Fato que poderá ser facilmente comprovado pelo Ministério Público Eleitoral com farto material fotográfico nas redes sociais dos envolvidos e em publicações do Somos Online.

Wladimir Garotinho colheu os louros pelo apoio ao avento organizado por seu cabo eleitoral Thiago Virgílio

Cortina de fumaça

Após as denúncias do site, o ex-vereador Thiago Virgílio tentou disfarçar a suposta campanha eleitoral extemporânea publicando diversos patrocinadores e omitindo o patrocínio de Wladimir, antes amplamente anunciado.

Sem estrutura e sem respeito

A realização do último evento, após realizar a festa sem a menor estrutura ou segurança e infernizar a vida dos moradores com som altíssimo até altas horas, sem o menor respeito pelos idosos, enfermos ou crianças, deixou para trás um legado de sujeira, lixo e dejetos humanos naquela avenida, obrigando os moradores a lavarem as suas calçadas para se livrarem da sujeira e do mau cheiro.

Sujeira para os moradores após a Copa Eleitoral

A culpa é dos outros

Após ter o evento para o último jogo do Brasil cancelado pelo Corpo de Bombeiros por falta de segurança, o organizador Thiago Virgílio resolveu, novamente, tentar a sorte anunciando o evento dessa sexta, mesmo sem ter em mãos o alvará do Corpo de Bombeiros, novamente negado, além da interferência do Ministério Público proibindo os shows.

Agora, sem ter como cumprir as suas precipitadas promessas, tenta colocar a culpa no poder público divulgando, em sua rede social, um nota em que distorce os fatos e omite a sua própria incompetência na organização do evento, sem previsão correta do número de participantes, segurança ou prevenção de saúde para garantir a integridade do público.

O antes e depois de Thiago Virgílio que anunciou o que não poderia cumprir

Observe na nota abaixo, “a Prefeitura fez um pré-acordo verbal com os organizadores do evento”, portanto, nada havia sido ainda confirmado quando ele alardeava ele como certo. Leia abaixo:

Nota de Thiago Virgílio

“Com o apoio da Guarda Civil Municipal para fechamento das ruas e com o apoio de 25 homens da Guarda para ajudar na segurança durante o evento. Com o apoio também da Fiscalização e Posturas durante o transcorrer da festa.
A secretaria de saúde irá disponibilizar 1 ambulância para o local. Tudo isso a PREFEITURA irá cumprir no Apoio ao evento. Porém, a Prefeitura fez um pré-acordo verbal com os organizadores do evento que iria disponibilizar o corpo médico para atender as exigências do Corpo de Bombeiros para receber um público estimado de 5 a 10 mil pessoas. Ontem, a Prefeitura nos informou que não poderia disponibilizar essa estrutura médica e que por conta disso nós da Comissão de Organização, optamos por colocar apenas um super telão de led para assistirmos os jogos”.

Quem será responsabilizado?

Como se vê, mesmo com tantas falhas da organização apontadas, Thiago Virgílio insiste na realização do evento “optamos por colocar apenas um super telão de led para assistirmos os jogos”.

Após a sua convocação de público durante toda a semana, é possível que a afluência de pessoas até o local seja grande. Em caso de algum distúrbio, violência ou acidente, quem deverá ser responsabilizado?

Nota Oficial da Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes

O secretário de Governo Alexandre Bastos informa que a Prefeitura de Campos esteve aberta ao diálogo junto ao vereador afastado Thiago Virgílio, que compunha a bancada da oposição na Câmara, e que buscou auxiliá-lo da melhor maneira, assim como todas as pessoas que buscam a Prefeitura para realizar eventos em território Municipal. Em reunião junto ao secretário, os organizadores do evento foram ouvidos e, assim como no primeiro jogo da Copa do Mundo, a Prefeitura se comprometeu a disponibilizar a estrutura básica com o apoio da Guarda Civil Municipal, Limpeza Pública, agentes da superintendência de Postura e a estrutura para garantir a segurança da população. Durante a conversa, houve a tentativa, dentro das possibilidades, de viabilizar os serviços, conforme o vereador afastado havia solicitado, fazendo o elo entre os organizadores do evento e a Saúde, assim como acontece em todos os eventos que são desenvolvidos no município.
É importante lembrar que no momento em que o organizador busca aval do poder municipal, através do documento de Nada a Opor Único, fica ciente de suas responsabilidades para a realização do evento a partir das exigências que constam no documento de Nada a Opor Municipal, tais como: Não fixar nenhuma estrutura sobre o solo público; Não causar prejuízo ao sossego e a paz pública da população circunvizinha; estar em consonância com as normas de trânsito; não obstruir o direito de ir e vir de todo cidadão; providenciar banheiro químico; providenciar atendimento médico.
A Prefeitura de Campos ressalta ainda que atualmente o município decretou situação de emergência na área da saúde pública devido à epidemia de chikungunya. De acordo com o decreto, está autorizado o remanejamento de servidores públicos e prestadores de serviço para atender às demandas prioritárias da Secretaria de Saúde e do Centro de Controle de Zoonoses. Sendo assim, fica priorizado o atendimento médico em todas as unidades médicas, sendo inviável o envio de mais de 30 profissionais da saúde para o evento, conforme exigido pelo Corpo de Bombeiro.

Thiago Virgílio e suas contradições

O vereador afastado quer culpar a prefeitura por não liberar médico para o seu evento eleitoral, que tem servido de palanque político para o grupo de Garotinho.

Campos está vivendo estado de emergência por conta de Chikungunya e o cabo eleitoral de Wladimir Garotinho, condenado na Chequinho, quer exigir que a prefeitura arque com dezenas de médicos para cuidar de uma festa de rua?

Logo ele, que vive cobrando e falando que a saúde está um caos. Então quer dizer que pode tirar médico de plantão dos postos para colocar na Princesa Isabel para atender a sua pretensão eleitoral?

NENHUM COMENTÁRIO