Polícia Federal cumpre mandado para investigar PreviCampos na gestão Rosinha

0

Por mais eficientes e treinados que sejam os criminosos, eles sejam deixam rastros. E foi atrás desses rastros a que a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão da “Operação Encilhamento”, desdobramento da “Operação Papel Fantasma”, na sede do Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Campos, o já lamentavelmente famoso PreviCampos.

Assalto às previdências municipais

A ação foca na apuração de fraudes nos institutos de previdência municipais com a utilização de operações financeiras em fundos de investimento que atuam com debêntures sem lastro emitidas por empresas de fachada.

A operação conta com o apoio da Secretaria de Previdência – SPREV, que identificou 28 Institutos de Previdência Municipais que investiram em fundos que adquiriram os papéis sem lastro.

Grande maldade em esquema simples

O esquema era simples, os administradores criavam empresas de fachada e aplicavam o dinheiro dos trabalhadores de organizações públicas. Mas as empresas não possuíam capital suficiente, e o trabalhador, que contava com a aposentadoria, acabava com prejuízo, já que as empresas iam à falência sem ter recursos para o pagamento.

A debênture é um título de dívida que gera um direito de crédito ao investidor.

O cumprimento do mandado pela Polícia Federal recolheu HDs de computadores e documentos diversos.

É grande o prejuízo aos cofres públicos dos municípios saqueados pelas quadrilhas. A atual operação é ampla e cumpre 60 mandados de busca e apreensão e 20 mandados de prisão temporária em 28 municípios dos estados o Rio de Janeiro, Santa Catarina, Mato Grosso São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Goiás, por ordem da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo.

Perseguição?

Como a ordem veio da Justiça Federal de SP, Dessa vez vai ficar muito difícil dizer que foi “perseguição” por denúncias contra autoridades do Estado do Rio de Janeiro.

Golpe em 28 municípios

A Polícia Federal avalia que os prejuízos causados pelo golpe das debêntures ultrapassem o valor de R$ 1,3 bilhão, somando-se os prejuízos dos 28 municípios vítimas do golpe, com a identificação da empresa de consultoria utilizada pelos institutos de previdência, e também indícios que apontam para corrupção de servidores ligados a alguns desses institutos de previdência.

No Estado do Rio de Janeiro, seis mandados foram expedidos na capital e outros quatro no interior, em Angra dos Reis, Belford Roxo, Japeri e Campos dos Goytacazes.

Os investigados poderão responder por crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, fraude à licitação, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro, com penas de 2 a 12 anos de prisão.

Gestão Rosinha

Em Campos, atuação da Polícia Federal foi acompanhada pelo atual presidente do PreviCampos, André Luiz Gomes de Oliveira, e a Prefeitura de Campos informou que o objetivo é “investigar supostas irregularidades ocorridas na gestão passada, sobretudo no ano de 2016” e ressaltou que está “à disposição para colaborar com as investigações que se fizerem necessárias”.

O rombo do Previcampos

O Instituto da Previdência dos Servidores do Município de Campos dos Goytacazes (Previcampos) sofreu perda na carteira de investimentos em R$ 383.432.979, 49 e também da classificação como investidor qualificado. O dado consta na auditoria geral determinada pelo prefeito Rafael Diniz nas contas Instituto, que identificou, pelo menos, 20 irregularidades. O levantamento mostra ainda que a dívida da Prefeitura de Campos com o Previcampos é de R$ 181.653.455,34.

Saiba mais

http://somosassim.com.br/portal/99168-2/

http://somosassim.com.br/portal/rombos-de-fundos-de-pensao-nas-gestoes-rosinha-garotinho-chegam-a-bilhoes/

http://somosassim.com.br/portal/cpi-do-rombo-marcao-quer-repatriar-o-dinheiro-que-foi-retirado-dos-cofres-da-prefeitura-por-ladroes/

NENHUM COMENTÁRIO