Negativa de Habeas Corpus do TRE deixa clima de velório na frente da Casinha da Lapa

0
O esperneio judicial não funcionou

O plenário do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) negou o pedido de Habeas corpus a Garotinho, condenado a 9 anos e 11 meses de reclusão por cometer crime eleitoral 17.515 vezes, associação criminosa, supressão de documento e coação de testemunhas da “Chequinho”, ele está em prisão domiciliar a seis dias.

Sem impunidade

A decisão unânime do plenário do TRE, de manter Garotinho, líder da Facção Rosa, em prisão domiciliar na Casinha da Lapa, e de tornozeleira eletrônica, foi mais uma pá de cal nas pretensões de Garotinho de desafiar impunemente a justiça, atacando as autoridades processuais.

Mesma ladainha de sempre

Após decisão, Rosinha ataca autoridades processuais. Foto Antonio Leudo/Folha da Manhã
Após decisão, Rosinha ataca autoridades processuais. Foto Antonio Leudo/Folha da Manhã

Diante da decisão, Rosinha fez um discurso inflamado na frente da Casinha da Lapa para uma “multidão” de cerca de 40 pessoas. Como já é de praxe, falou em perseguição, e no absurdo de prender Garotinho, negando que ele tenha cometido qualquer crime, apenas dado comida aos pobres e ameaçou a todos os adversários da facção com a ira de Deus.

Frases de Rosinha

“Perdemos o HC no TRE, mas não é um ponto final”

“Nunca ganhamos nada de muito relevante no TER mesmo. Toda vez que a justiça humana é feita. Essa justiça é lá em Brasília. Eu acho quer é o único cidadão no Brasil que está amordaçado e proibido de falar. É um preso político”.

 

Rosinha
Rosinha

Clima de velório

Mas nem o seu discurso inflamado de Rosinha, de cabelo recentemente pintado, vestida preto como uma viúva de marido vivo, conseguiu modificar o clima de velório conduzido por ela, que assolou os 40 ex-boquinhas, militantes e correligionários.

Debandada

Após a divulgação da decisão houve uma debandada geral na frente da casinha da Lapa, até o colega de tornozeleira, vereador Thiago Ferrugem, bateu em retirada com a nova derrocada do chefe.

Da decisão ainda cabe recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Novas informações a qualquer momento

NENHUM COMENTÁRIO