Dada como morta por delatores, secretária de Garotinho ressuscita no Facebook do chefe

0

Ontem à noite, a ex-secretária de Garotinho, Maria de Lourdes Araújo Ribeiro, a “toda poderosa do Palácio das Laranjeiras” no governo Rosinha, e a famosa secretária da “Palavra de Paz”, que teria marcado a reunião do “acerto” entre o chefe e a Odebrecht, e dada como falecida em depoimento dos delatores da Odebrecht Benedicto Barbosa da Silva Júnior e Leandro Andrade Azevedo, “ressuscitou” no Facebook do antigo chefe como comentarista de um vídeo onde Garotinho alega estar febril, mas aparece deitado sem camisa, aparentando certa desorientação, como sob efeito de forte medicação, mas se vangloriando de ter sido absolvido no caso EDAFO, e ainda aproveitando para culpar adversários, a imprensa, e atacar o prefeito de Campos Rafael Diniz.

Lurdeca, dada como morta por delatores da Odebrecht , e mantida assim por Garotinho e Rosinha, reapareceu no Facebook do chefe
Lurdeca, dada como morta por delatores da Odebrecht , e mantida assim por Garotinho e Rosinha, reapareceu no Facebook do chefe

Arquivo vivo

Observem que, mesmo sabendo que ela, dada como falecida pelos delatores, estava bem viva e morando em Copacabana, o casal Garotinho/Rosinha omitiu essa informação, deixando que a Lava Jato e o Ministério Público Estadual/Campos continuassem a ignorar a existência de uma importante testemunha, que teria acompanhado todo desenrolar dos fatos e as entregas de dinheiro vivo no escritório da Palavra de Paz, e que aqui em Campos também seria de enorme importância para o Inquérito 121/2015, da 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva, que investiga o maior contrato já assinado pela Prefeitura de Campos, de mais de um bilhão de reais para a construção das “Casinhas de Rosinha”, que envolveria o pagamento de 20 milhões em propina.

Quem é Maria de Lourdes Araújo Ribeiro, e qual a sua importância nesse bilionário caso envolvendo Garotinho, Rosinha e a Odebrecht?

Maria de Lourdes, a “Lurdeca”, foi figura de proa nos governos de Rosinha e Garotinho à frente do Estado, e depois ainda seguiu o chefe para a empresa “Palavra de Paz” após o fim do seu governo.

Faz tudo – Durante as gestões do casal Garotinho, Maria de Lourdes comandava o Palácio das laranjeiras com pulso forte, era o braço direito e o esquerdo da dupla, nada acontecia sem passar antes por “Lurdeca”, que também era a responsável pela agenda de Garotinho, mantendo absoluto controle sobre todas as suas reuniões.

Talão de cheques assinado – O nível de confiança do casal na auxiliar era tão alto, que ela mantinha sob a sua guarda um talão de cheques de Garotinho com todas as folhas assinadas para qualquer eventualidade.

Declaração – No dia 2 de novembro de 2015, Rosinha postou como legenda de quatro fotografias com Maria de Lourdes em seu perfil no Facebook: “Visitando uma grande amiga, Maria de Lourdes Araújo Ribeiro, famosa Lourdeca. Quando morávamos no Rio foi uma mãezona para nós. Te amamos muito!”

Lurdeca sabia de tudo nos governos do casal
Lurdeca sabia de tudo nos governos do casal

A quem interessa manter a “Lurdeca” como morta? D. Maria de Lourdes é o que se pode chamar de arquivo vivo. Muito vivo, por sinal…

 Abaixo, o trecho da delação do ex-executivo da Odebrecht Leandro Andrade Azevedo em Campos, onde ele dá “Lurdeca” como morta:

 Delatores da Odebrecht e o depoimento em Campos

Ainda segundo Leandro Azevedo, ele foi apresentado, em 26 de maio de 2008, a Garotinho, no escritório da “Palavra de Paz”, na Glória, Rio de Janeiro. Lá, foi questionado sobre o que fazia na empresa e conheceu o Programa de Governo de Rosinha. A reunião teria sido marcada com uma secretária de Garotinho, Lourdes, segundo Leandro, hoje já falecida. Na ocasião, Benedicto disse que Leandro era executivo de sua confiança e que seria ele a operacionar valores. Garotinho teria dito qual a intenção na área de saúde, social e de infraestrutura, dizendo que o carro-chefe da campanha de Rosinha era construção de casas populares”.

Folha Online/ Blog na Curva do Rio / Suzy Monteiro em 09/07/2017 11:37

NENHUM COMENTÁRIO