Os Salesianos em Campos. Uma saga de fé e educação

3

Caralha-Enciclopédia-Campista

No ano de 1883, a cidade de Campos dos Goytacazes tornou-se o primeiro município da América Latina a ter um serviço público de iluminação elétrica, inaugurado pelo imperador Dom Pedro II. E na cidade de Niterói, chegavam os primeiros salesianos, enviados por Dom Bosco.

Em Campos os primeiros Salesianos chegaram no início do século XX, fundando o Colégio Nossa Senhora Auxiliadora em 1925, e administrando, entre 1927 e 1930, o Colégio Bittencourt.

Juntos, o Auxiliadora, o Laura de Vicunha e o Salesiano, formam a maior rede educacional da cidade de Campos dos Goytacazes. E a rede Salesiana é atualmente a maior rede educacional católica do Brasil. Vamos conhecer um pouco mais desta história?

“Sonho dos 9 anos”

A revolução industrial européia, em meados do século XVIII, foi o grande ciclo da exploração do trabalho infantil e do êxodo rural, de onde grande parte da população se deslocou para as cidades à procura de trabalho.

Antes da revolução industrial, as famílias viviam no campo e as crianças já trabalhavam desde pequenas para ajudar os pais nas tarefas do campo. A vida na cidade alterou por completo este convívio familiar, as crianças perderam o contato com a natureza e passaram a viver nas cidades e a trabalhar nas fábricas. No início eram apenas os abandonados em orfanatos, mas, com o passar do tempo, também as crianças com famílias.

Dom Bosco
Dom Bosco

Na Itália não foi muito diferente, e a região de Piemonte sofreu grandes transformações com todo este movimento. Nesta mesma região vivia um padre chamado João Bosco que, anos antes, aos 9 anos de idade, teve um sonho e assim escreveu em suas anotações:

“Na idade de 9 anos tive um sonho que me ficou profundamente impresso na mente por toda a vida. Pareceu-me estar perto de casa. Numa área bastante espaçosa onde uma multidão de meninos estava a brincar. Alguns riam, outros divertiam-se, não poucos blasfemavam. Ao ouvir as blasfêmias, lancei-me de pronto no meio deles, tentando, com socos e palavras, fazê-los calar.

Neste momento apareceu um homem venerando, de aspecto varonil, nobremente vestido. Um manto branco cobria-lhe o corpo; seu rosto, porém, era tão luminoso que eu não conseguia fitá-lo. Chamou-me pelo nome e mandou que me pusesse à frente daqueles meninos, acrescentando estas palavras:

– Não é com pancadas, mas com a mansidão e a caridade que deverás ganhar esses teus amigos. Põe-te imediatamente a instruí-los sobre a fealdade do pecado e a preciosidade da virtude.

Confuso e assustado, repliquei que eu era um menino pobre e ignorante, incapaz de lhes falar de religião. Senão quando aqueles meninos, parando de brigar, de gritar e blasfemar, juntaram-se ao redor do personagem que estava a falar.

Quase sem saber o que dizer, acrescentei:

– Quem sois vós que me ordenais coisas impossíveis?

– Justamente porque te parecem impossíveis, deves torná-las possíveis com a obediência e a aquisição da ciência.

– Onde, com que meios poderei adquirir a ciência?

– Eu te darei a mestra, sob cuja orientação poderás tornar-te sábio, e sem a qual toda sabedoria se converte em estultície.

– Mas quem sois vós que assim falais?

– Sou o filho daquela que tua mãe te ensinou a saudar três vezes ao dia.

– Minha mãe diz que sem sua licença não devo estar com gente que não conheço; dizei-me, pois, vosso nome.

– Pergunta-o à minha mãe.

Nesse momento vi ao seu lado uma senhora de aspecto majestoso, vestida de um manto todo resplandecente, como se cada uma de suas partes fosse fulgidíssima estrela. Percebendo-me cada vez mais confuso em minhas perguntas e respostas, acenou para que me aproximasse e, tomando-me com bondade pela mão, disse:

– Olha.

Vi então que todos os meninos haviam fugido, e em lugar deles estava uma multidão de cabritos, cães, gatos, ursos, e outros animais.

– Eis o teu campo, onde deves trabalhar. Torna-te humilde, forte, robusto; e o que agora vês, a esses animais, deves fazê-los aos meus filhos.

Tornei então a olhar, e em vez de animais ferozes apareceram mansos cordeiros que, saltitando e balindo, corriam ao redor daquele homem e daquela senhora, como a fazer-lhes festa.

Neste ponto, sempre no sonho, desatei a chorar, e pedi que falassem de maneira que eu pudesse compreender, porque não sabia o que significava tudo aquilo. A senhora descansou a mão em minha cabeça dizendo:

– Ao seu tempo tudo compreenderás.

Após essas palavras, um ruído qualquer me acordou, e tudo desapareceu.

Permaneci atônito. Parecia que minhas mãos doíam devido aos socos que tinha dado, que minha face doía pelos socos recebidos. Aquele personagem, aquela senhora, as coisas ditas e ouvidas me ocuparam de tal forma a mente que não consegui retomar o sono aquela noite.

João Bosco

Os Salesianos e o ato de “Cuidar de”

Auxiliadora-historia (1)As escolas católicas não são iguais, cada uma ensina de acordo com a sua ordem religiosa, a Ordem dos Salesianos foi fundada na primeira metade do século XIX, no ano de 1859, pelo padre Dom Bosco com o intuito de “cuidar de” e uma educação que ganharia o coração dos jovens. A ordem feminina, as FMA – Filhas de Maria Auxiliadora, veio poucos anos depois, em 1872, fundada por Dom Bosco e pela Madre Maria Mazzarello.

 

Campos dos Goytacazes: O primeiro centenário de Campos e a educação feminina

No início do século XX houve uma grande preocupação da Igreja católica com o ensino público e as novas ideias que chegavam, se hoje querem retirar as matérias de História ou Geografia da grade, no início do século XX o tema era “Religião”. A escola católica queria estar nas escolas e a forma encontrada pela igreja para continuar a educação cristã nas escolas públicas foi a formação de professoras, e assim passar aos alunos os mesmos ensinamentos e valores das gerações anteriores.

Durante o Império do Brasil chegaram duas congregações femininas, as Filhas da Caridade em 1849 e as Irmãs de São José de Chambery em 1858, a vinda de outras congregações femininas triplicou até o final do século XIX, muitas delas vindas da Itália e França. O principal trabalho realizado pelas freiras seria a Educação feminina, os orfanatos, os asilos e os hospitais.

No ano de 1924 a Santa Sé nomeou Dom Henrique Mourão, da congregação salesiana, como administrador apostólico da recente criada Diocese de Campos, criada no ano de 1922. Esta nova diocese juntava 11 cidades, entre elas: Itaperuna, São João da Barra, Macaé e São Fidélis. Como Salesiano, Dom Henrique solicitou a vinda das “FMA” (Filhas de Maria Auxiliadora) para fundar o Colégio Nossa Senhora Auxiliadora em 1925, Dom Henrique também foi o responsável pela nova catedral de Campos, pelo colégio Bittencourt de 1930, e pela residência dos Bispos de Campos na rua 7 de Setembro. Durante o primeiro centenário da cidade, Campos ainda recebeu uma nova Catedral no ano de 1935, obra organizada por Dom Henrique Mourão.

A sociedade campista no início do século XX acreditava que mulher era feita para casar e ter filhos. A vinda do Auxiliadora para Campos e a abertura das escolas normais para as mulheres ajudou e muito na modificação deste pensamento.

Auxiliadora-historia (3)

Para a nova escola feminina foi adquirido um palacete em uma chácara de 30 mil metros quadrados que pertencia ao Dr Joaquim Ribeiro de Castro na rua Salvador Corrêa (frente) e rua Formosa (Fundos). A casa foi reformada e o terreno foi dividido em duas partes, a primeira onde atualmente está o Auxiliadora e a segunda, o antigo Orfanato, atual Laura de Vicunha.

A nova escola recebeu a primeira missa em 19 de fevereiro de 1925 e foi inaugurada no dia 2 de março, contando com regimes de internato e externato, aulas de piano, pintura, bordado para 13 alunas internas, 7 semi-internas, 48 externas, 4 pensionistas, 18 alunas particulares e 7 irmãs.

Auxiliadora-historia (8)

No ano de 1936 foi construído um novo edifício de dois pavimentos que contava com novos dormitórios, salas separadas para as roupas, um consultório odontológico dos mais modernos para a época, enfermarias, refeitório, auditório entre outras instalações.

Dom Henrique Mourão em Campos

Dom Henrique Mourão
Dom Henrique Mourão

Foi administrador Apostólico da futura Diocese de Campos no ano de 1923, nomeado pela  Santa Sé como bispo da mesma diocese, sendo consagrado no dia 18 de outubro de 1925.

Em 11 anos trabalhando em Campos, Fundou o Ginásio e a escola Normal Maria Auxiliadora que confiou às Filhas de Maria Auxiliadora, comprou o Ginásio Bittencourt para transformá-lo em Ginásio Diocesano, reformou a antiga Catedral de Campos, fundou um seminário, ficou em Campos até o ano de 1936, sendo transferido para uma diocese maior no estado de São Paulo.

O Pátio e a Capela

O Pátio em uma instituição Salesiana representa um dos lugares mais importantes da escola junto à Capela, é o lugar da “comunicação”.

A festa de Nossa Senhora Auxiliadora

A primeira grande festa de Nossa Senhora Auxiliadora em Campos foi celebrada no dia 24 de maio de 1925 com uma grande festa, havendo missa campal e procissão, tradição que segue até os dias de hoje em Campos.

Havia ainda, no mês de Junho, as festas para o “Papa”, seguido de muitas outras festas.

As alunas do Auxiliadora ainda participava com o uniforme de gala dos festejos de São Salvador na Catedral e na procissão que durante muitos anos em Campos, além do Auxiliadora era acompanhada por todas as irmandades, confrarias e escolas religiosas.

Finazinha Queiróz e a sua devoção a Nossa Senhora Auxiliadora

Grande devota de Nª Senhora Auxiliadora, Dona Finazinha Queiróz teve uma cadeira cativa nas missas do Colégio durante toda a sua vida. Segundo as ex alunas, Finazinha chegava às missas do Auxiliadora vestida de negro, com o rosto coberto por um véu, sentava em sua cadeira cativa com uma pequena almofada.

A irmã Zilda fora dos muros da escola e o seu trabalho

irma-zildaA irmã Zilda foi a grande ponte que ligou o Auxiliadora a sociedade campista e a igreja. Dedicada, levou a educação religiosa por todos os lados da cidade, incluindo as fazendas e distritos mais distantes, também levava alimentos, doces para as crianças e orações para fora dos muros da escola, sua visita semanal ao presídio de Campos confortava os presos, e também visitava cada hospital da cidade.

A participação da família e a escola

Do ano da fundação aos dias atuais, o Auxiliadora sempre ligou a escola à família campista de uma forma única, quantas histórias não temos em casa contadas pelas nossas avós, tias avós, mães. Uma das histórias que eu sempre escutei em casa era que o meu bisavô junto com outros fazendeiros e usineiros enviavam alimentos para ajudar na caridade, era muito comum doar um boi para as festas organizadas pelas alunas para os atos de caridade.

A Fundação do Laura e a chegada dos padres Salesianos

1- Fundada no ano de 1940. a Escola Normal.

2- Durante as décadas de 40 e 60, além da grade, as alunas aprendiam a fazer hortas e ajudar as obras de caridade.

3- 1933: a formação da “União das ex-alunas campistas” (UESC).

4- No ano de 1937 foi aberto a Escola Noturna gratuita com 132 alunas matriculadas.

5- No ano de 1945 foi inaugurada a Escola Doméstica em regime de internato – gratuito.

6- No ano de 1949, a fundação do Orfanato “Dom Bosco” e do Instituto Profissional Laura Vicunha.

7- Em 1959, inauguração do Instituto Dom Bosco Salesiano dos padres Salesianos em Campos atual Colégio Salesiano. Nesta época o Nossa Senhora Auxiliadora atendia apenas meninas.

8- Em 1972, é autorizada a mudança de nome do Auxiliadora para Centro Educacional Nossa Senhora Auxiliadora, com pré-escolar e 1º e 2º graus.

9- Em 2002,a criação do ISECENSA.

10- No ano de 2015 a Capela do Nossa Senhora Auxiliadora foi reinaugurada depois de um período de restauração, em seu interior estão as imagens de Nossa Senhora Auxiliadora, do Sagrado Coração de Jesus e de São José vindas da Europa e vitrais franceses ofertados pelas alunas e pais de alunas da época de sua construção, na segunda metade do século XX, obra do Engenheiro Elias Vieira de Vasconcellos.

11- Outra Capela de Nossa Senhora Auxiliadora em Campos que também chama atenção é a Capela do colégio Salesiano, mais moderna, em formato de um grande chapéu.

100 anos

Da chegada do primeiro Salesiano em Campos ao ano de 2017, a nossa cidade ganhou o maior conjunto educacional do interior do Estado do Rio, formado pelas instituições Salesianas, e eu, como ex aluno, apenas tenho que agradecer a formação recebida pelas Filhas de Maria Auxiliadora.

3 Comentarios

  1. Estou em lágrimas! Mais uma belíssima história. Mais emocionada ainda pq. Minha sobrinha fez o papel de Maria e meu sobrinho- neto de 10meses o papel de Jesus. Nas missas em maio em comemoração a Nossa Senhora Maria. E muita emoção! Obrigada meu amigo. Que Nossa Senhora Auxiliadora te guarde e te guia.

  2. Minha escola querida. Foi la que cursei meu curso Normal. ( depois Faculdade, pós, etc). Eu fui muito feliz dentro desta Escola. Aprendi a ser mais pia, mais católica, e estudei muito. Tive colegas maravilhosas e era muito amiga das freiras e professoras.Se sou a pessoa que sou hoje, agradeço a meu pai poder pagar essa escola( que era cara na minha época( 1960). Agradeço à freiras o carinho e as chamadas também. Eu precisei.
    Foi um previlégio veiver la na época de Irmã Zilda ( santa pessoa), irmã Niva, lrmã Neuzinha, irmãJoaninha, irmã Yolanda,etodas as demias. Fui muito feliz aí. Obrigada, Senhor!