Delação da JBS chega a Campos com nota fiscal de 3 milhões de propina

0

21/05/2017 08:08 – ATUALIZADO EM 21/05/2017 10:17

O jornalista Ricardo André, sempre atento, noticiou aqui ontem, em seu ótimo blog Eu Penso Que…, que uma nota fiscal emitida em Campos apareceu na delação da JBS, com uma cópia dela tendo sido exibida rapidamente no Jornal Nacional ontem (confira aqui).

A matéria do telejornal da Globo exibe a delação de Ricardo Saud, diretor do grupo J&F, que controla a JBS, mostrando que a empresa, corrupta ao extremo, deu dinheiro a quase todos os partidos, sendo que 1.829 candidatos receberam do grupo, em um total superior a R$ 500 milhões em propinas.

A delação cita que este meio bilhão de reais em propinas foi repassado de diversas maneiras: em contas no exterior; em espécie (quantias entregues em malas e bolsas); em doações oficiais (propina disfarçada de doação legal); ou por meio de empresas ligadas aos políticos.

Nesta última maneira de pagar propina, os políticos indicavam para a JBS empresas, que emitiam notas fiscais, algumas de serviços de interesse dos candidatos e outras para serviços que jamais foram prestados. As notas fiscais eram frias, como uma forma de dissimular os pagamentos de propina.

Assim a delação da JBS chegou a Campos. A matéria do Jornal Nacional cita (a citação aparece aqui, aos 02’55” do vídeo) que o ex-senador Antonio Carlos Rodrigues, do PR, partido da ex-prefeita Rosinha e do ex-governador Anthony Garotinho, recebeu R$ 3 milhões em propina, usando uma nota emitida no valor de R$ 3.004.160,00.

O serviço descrito na nota foi “engenharia de telecomunicações – prestação de serviços em consultoria e desenvolvimento de softwere”. O emissor da nota já merecia um Campíos pela forma como escreveu “software”. O jornalista campista Ricardo André, sagaz, percebeu, ao ver a matéria, que a nota fiscal de R$ 3 milhões tinha o brasão de Campos, reconhecido por ele mesmo na rápida exibição da nota no vídeo.

Após ler a matéria de Ricardo André, assisti o vídeo e dei um print na tela. Ampliando a imagem, com olhos de lince, é possível matar a charada de que empresa emitiu a nota, emitida em 2014. É a Ocean Link Solutions Ltda, que tem nome fantasia Oceanlink Solutions.

delacao_da_jbs_chega_a_campos_2-701568

A Ocean Link foi aberta em 29 de junho de 2011 e o seu CNPJ, também visível na nota com olhos de lince, é 13.879.073/0001-47. A empresa tem capital social de R$ 500.000,00 e estranhamente aparece no site da Receita Federal com endereço em Macaé, na Rua Antenor Tavares, 110, quadra 12, lote 35, no bairro de Cancela Preta.

Estranho porque na nota fiscal de R$ 3 milhões, emitida com o brasão da Prefeitura de Campos para o pagamento de propina ao então senador do PR (depois viraria Ministro dos Transportes no governo Dilma), a Ocean Link informa um endereço aqui em Campos, no Parque Aurora, e não o seu endereço registrado na Receita Federal, em Macaé.

Aprofundando um pouco mais a pesquisa, descobre-se que os sócios da Ocean Link são André Luiz da Silva Rodrigues e Brauny Alves Albergaria. André é proprietário, além da Ocean Link, de outras 13 empresas, que, somadas, tem capital social superior a R$ 9 milhões.

Destas empresas de André, a mais famosa delas, aqui na cidade, é a conhecida Working Empreendimentos, um dos fornecedores que mais faturou no governo de Rosinha. Coincidência ou não, a Working é sediada no Parque Aurora, bairro usado na nota fiscal emitada em Campos, de uma empresa de Macaé, e utilizada para pagar uma propina de R$ 3 milhões segundo a delação da JBS.

delacao_da_jbs_chega_a_campos_ii_3-701582

O outro sócio da Ocean Link, Brauny, tem mais 2 empresas registradas em seu nome, a Manfertech, de manutenção e montagens industriais, e a Cramel, de produtos médicos e hospitalares, esta situada na Barra da Tijuca, no Rio.

A chegada a Campos da delação da JBS, através de uma nota supostamente fria, segundo o delator, para pagar uma propina milionária a um ex-senador do PR, pode ser o fio de um novelo que ainda irá render muito. É a segunda grande delação nacional que envolve o nome de Campos. Antes foi a da Odebrecht, com a citação de delatores do envolvimento do programa Morar Feliz e dos Garotinhos em pagamentos de propinas.

A conferir as cenas dos próximos capítulos.

Por Christiano Abreu Barbosa

Na Folha Online

NENHUM COMENTÁRIO