Chequinho 6 X 0 Campos. Que vergonha!

0
O novo ministro Tarcisio Vieira, ex-advogado de Rosinha, foi o relator dos habeas corpus

A semente plantada pela ex-ministra Luciana Lóssio, a fada madrinha de Garotinho, em sua última sessão no TSE, agora irrigada pelo novo ministro Tarcisio Vieira, ex-advogado de Rosinha, germinou entre os outros ministros, que concederam por unanimidade o habeas corpus para a diplomação dos vereadores Jorge Rangel (PTB), Kellinho (PR), Linda Mara (PTC), Miguelito (PSL), Ozeias (PSDB) e Thiago Virgílio (PTC), e também liberaram Garotinho para falar sobre o que quiser.

Bancada do Chequinho

Cheque Cidadão: Benefício Social e Eleitora
Cheque Cidadão: Benefício Social e Eleitoral

Assim acaba de ser criada, na Câmara Municipal de Campos, a futura “Bancada do Chequinho”, composta por vereadores que já foram presos (exceto Jorge Rangel) e condenados na escandalosa compra de votos com Cheques Cidadão, pagos com dinheiro público, desbaratada pela Operação Chequinho da Polícia Federal.

Vexame nacional

Finalmente o milionário advogado de Garotinho Fernando Fernandes justificou a fama e os honorários. Teriam sido de quanto?
Finalmente o milionário advogado de Garotinho Fernando Fernandes justificou a fama e os seus honorários. De quanto teriam sido?

Por uma decisão unânime do Tribunal Superior Eleitoral, foi imposto a Campos o vexame de uma inédita bancada de vereadores condenados pela justiça e recorrendo nos cargos. Um vergonhoso recorde (proporcional) nacional que dificilmente será batido.

Retrocesso

Além do vexame do grande número de condenados legislando sobre os destinos do município, a decisão deverá atravancar decisões importantes para o progresso do município, já que é notório que os vereadores da nova “Bancada do Chequinho” obedecem cegamente aos interesses e humores do seu líder Garotinho, que já deixou bem claro que tudo fará para atrapalhar a nova administração ao deixar, ao fim do governo compartilhado com a esposa ex-prefeita Rosinha, verdadeiras “armadilhas” administrativas para o atual governo.

Continuam condenados

Mas uma coisa precisa ficar bem clara para os campistas: o habeas corpus concedido não exime a “Bancada do Chequinho” das suas condenações, muito menos das eventuais futuras responsabilizações ao fim dos julgamentos dos recursos interpostos. Mas, até lá, os campistas terão que engolir a presença de “representantes do povo” em sua Câmara Municipal, condenados pela justiça exatamente pela compra dos votos que os puseram ali.

NENHUM COMENTÁRIO

RESPONDER